Notícias de Última Hora

#amosler MARIA BONITA, “A JOIA DA RAINHA DO CANGAÇO”.



 

MARIA BONITA,
“A JOIA DA RAINHA DO CANGAÇO”.

      O  cangaço teve em seu apogeu uma forte exposição de ouro, através dos enormes trancelins, pingentes, anéis, moedas Libras Esterlinas, alianças, crucifixos, punhais marchetados com alianças e anéis de ouro, peças usadas e exibidas pelos cangaceiros.
Raro era não ver um cangaceiro ou cangaceira com peças em ouro ornamentando seus dedos, pescoços e chapéus.
A maioria do ouro era fruto de pilhagens, porém existiam ourives que vendiam peças aos diversos bandos. O próprio Pedro de Cândido, coiteiro que não foi o principal responsável mais que esteve envolvido na trama da traição que resultou na morte de Lampião e Maria Bonita, era um dos ourives que vendia objetos do nobre metal aos cangaceiros.
Um dos saques mais comentados e que  trouxe verdadeira fortuna ao bando de Lampião foi o famoso ataque  a baronesa  Joana Torres, fato ocorrido em 1922 na cidade alagoana de Água Branca. O Crucifixo da Baronesa que hoje pertence ao escritor Frederico Pernambucano de Melo é uma das mais belas joias que representa aquela época, compondo o vasto acervo adquirido por Frederico a família do tenente João Bezerra, matador dos cangaceiros na Grota do Angico.
Uma peça em ouro que prendia um cacho de cabelo da cangaceira Lídia me  foi presenteado por uma de suas sobrinhas e hoje  encontra-se com o escritor Antonio Amaury.
A Cangaceira Aristeia Soares de Lima dividiu comigo e seu filho Pedro Soares um par de brincos que ela ganhou do cangaceiro Cruzeiro, quando de sua entrega em Santana do Ipanema.
Quando foquei minhas pesquisas e entrevistas colhendo material para a realização do livro a Trajetória Guerreira de Maria Bonita, a Rainha do Cangaço, fiquei sabendo de uma jóia que ela havia dado de presente a sua irmã mais velha,  Benedita Gomes de Oliveira, presente que causou inveja entre as irmãs e que gerou várias discussões entre elas, ao ponto de ficarem sem comunicação. Sempre que eu perguntava sobre essa jóia e com quem estaria, as informações eram vagas ou descartadas.
O que de mais preciso consegui colher foi que estaria com um dos 15 filhos de Benedita e Fabiano Oliveira.  O único filho desse casal que via sempre era o senhor Abílio Fabiano Neto de Oliveira, por residir lateral a Casa de Maria Bonita, residência que passou por um processo de restauração e que hoje abriga o Museu  Casa de Maria Bonita. Seu Abílio sempre foi muito fechado e sempre que sentia uma mínima aproximação para falar sobre alguma coisa relacionada ao cangaço  ou sua família ele se esquivava do interlocutor e saia da presença da pessoa, deixando o silêncio como resposta.
O tempo passou e eis que me ligam pedindo  minha presença no povoado Malhada da Caiçara. Fui ver o que era de tão importante e para minha surpresa a famosa jóia presenteada pela Rainha do Cangaço a sua irmã Benedita, apareceu para negociação. Não perdi tempo e adquiri de imediato a jóia tão misteriosa, mais antes tive que garantir  que não iria divulgar o nome da pessoa que mantinha  em seu poder a peça , preservando a identidade do negociador.
Detalhes ajustados e hoje a joia faz parte do meu acervo e será exposta para conhecimento e apreciação de todos quando da criação do Museu do Nordeste, projeto em pauta para consolidação em 2017, em Paulo Afonso, Bahia.

João der Sousa Lima
Historiador e Escritor
Membro da Academia de Letras de Paulo Afonso, cadeira 06
Conselheiro do Cariri Cangaço
Membro da SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço.

Paulo Afonso, Bahia, 30 de junho de 2016.




   







Nenhum comentário